Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?


Ex-prefeito de Novo Horizonte e São Lourenço do Oeste compartilha história com alunos do 5˚ ano

Publicado em 07/07/2021 às 17:35 - Atualizado em 07/07/2021 às 17:35

Objetivo é auxiliar os alunos na Olimpíada de Língua Portuguesa (OLP) 2021
Créditos: Ascom/Novo Horizonte Baixar Imagem

Atendendo a um convite da Secretaria de Educação, Esportes e Cultura de Novo Horizonte, o ex-prefeito de Novo Horizonte e São Lourenço do Oeste, Santos Zilli, compartilhou, nesta terça-feira (6), sua história de vida e, principalmente do município, com os alunos do 5˚ ano do Centro Educacional Municipal Novo Horizonte (Cenho). A iniciativa busca auxiliar os alunos na Olimpíada de Língua Portuguesa (OLP) 2021, a qual tem como tema “O lugar onde vivo”.

Com 85 anos, o ex-prefeito contou aos jovens que, apesar de ter frequentado apenas um ano de escola, gosta de ler todos os dias e tem grande facilidade com cálculos. “Matemática foi a minha matéria preferida”, confessou. Questionado pelos alunos, Zilli contou em detalhes como o município de Novo Horizonte foi desmembrado de São Lourenço do Oeste, falou sobre os primeiros comércios, do estilo de vida dos primeiros moradores e do desenvolvimento da cidade. Curiosa, a turma aproveitou para fazer perguntas diversas, as quais abordaram questões políticas, administrativas, econômicas e sociais.

“Fico feliz em poder transmitir algum conhecimento a quem não teve a oportunidade de viver naquela época”, disse o ex-prefeito. Como dica, ele recomenda que as crianças e jovens aproveitem para estudar. “Na minha época era diferente. As famílias pensavam apenas em trabalhar para comprar área de terra”, lembra frisando que apesar das dificuldades no passado, hoje possui uma pequena biblioteca em casa.

Para a professora do 5˚ ano, Erita Ines Beck, essa troca de experiências permite que os alunos interajam com a história, conheçam o desenvolvimento socioeconômico e cultural do município e tenham condições de participar da OLP. “É uma inspiração para eles”, resume. Conforme a professora, a conversa é também uma aula de história onde eles conseguem entender e valorizar as origens. Por conta da pandemia e a subdivisão da turma, na próxima semana a conversa será feita com os demais alunos.