Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?


Alunos da rede estadual de ensino participam de palestra sobre prevenção ao suicídio

Publicado em 23/09/2021 às 20:41 - Atualizado em 23/09/2021 às 20:41

Palestra faz parte das ações de prevenção ao suicídio
Créditos: Ascom/Novo Horizonte Baixar Imagem

Em alusão ao Setembro Amarelo - mês dedicado à prevenção do suicídio – o Departamento de Promoção Social de Novo Horizonte realizou, nesta semana, na Rede Estadual de Ensino, uma palestra sobre o tema. A conversa foi conduzida pelo psicólogo, membro da Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Suicídio (ABEPS) e técnico pericial, Abel Petter.

Márica Nicola Franchini, diretora do Departamento de Promoção Social, concorda que o assunto é delicado e, por isso, exige alguns cuidados na hora de ser abordado. Contudo, ela defende que, apesar de existir um mês específico para tratar do assunto, o tema deve ser discutido abertamente durante o ano todo. “É um assunto cercado de tabus. A gente sabe que é uma questão que incomoda, gera medo e está cercada de preconceito”, observa.

A diretora justifica o público escolhido, lembrando que nacionalmente os índices de suicídios envolvendo jovens aumentam a cada ano. “É normal, nos dias de hoje, conhecermos pessoas que sofrem de ansiedade e depressão. O que não pode ser normal é esse sofrimento persistirem por, por exemplo, mais de duas semanas. É preciso pedir ajuda”, orienta. A ideia da palestra é subsidiar os alunos de informações e mostrar que professores e demais profissionais da Promoção Social estão a disposição, em forma de rede de apoio.

Em resumo, o objetivo foi mostrar que é possível prevenir o suicídio e que para isso é necessário falar sobre o assunto abertamente. Durante a palestra o Petter abordou questões como suicídio, formas de pedir ajuda e como identificar os desconfortos. Marcia reforça que falar é a melhor solução. “Existiu, no passado, o entendimento de que falar sobre o assunto iria motivar o suicídio. Porém, estudos mostram que é ao contrário”, resume.