Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?


Iniciativa permite que grupos do Cras conheçam e participem de sessões de cinema

Publicado em 03/12/2021 às 07:55 - Atualizado em 03/12/2021 às 07:55

Iniciativa busca fazer a inclusão dos grupos atendidos pelo Cras e oportunizar novas experiências
Créditos: Ascom/Novo Horizonte - Arquivo Baixar Imagem

Com o objetivo de garantir igualdade e oportunizar novas experiências aos grupos atendidos pelos programas do Centro de Referência da Assistência Social (Cras), o Departamento de Promoção Social de Novo Horizonte levou, no mês de novembro, crianças, adolescentes e mulheres para conhecer o cinema, em Pato Branco. A experiência foi acompanhada pelas equipes do Cras e seguiu todos os protocolos de saúde em relação a pandemia.

De acordo com a diretora do Departamento de Promoção Social, Marcia Nicola Franchini, além de ser uma experiência nova, foi, para muitos, a primeira viagem a lazer e a oportunidade de conhecer novos lugares.

Explicando que a iniciativa é uma forma de inclusão, Marcia conta que desde o início da gestão o foco do departamento é olhar e atender os grupos mais vulneráveis. “Pensamos em fazer algo diferente, pois a maioria não teria a oportunidade por conta própria para, por exemplo, ir ao cinema”, observa.

Feliz com a adesão, Marcia explica que no primeiro momento a participação foi de crianças e adolescentes em idade escolar, fechando uma turma de 50 pessoas. Na sequência a ideia foi ampliada para um grupo de 50 mulheres. “Foi muito gratificante ver o sorriso no rosto das crianças, adolescentes e mulheres. Sair, conhecer coisas e lugares novos melhora o bem estar e, principalmente, a saúde mental. Foi muito bom”, revela.

Avaliando a iniciativa e os resultados que isso pode gerar, a diretora do Departamento de Promoção Social adianta que a ideia deve ser reeditada em 2022. A intenção é envolver ainda mais pessoas. “A gente sabe que para alguns foi uma oportunidade única, que talvez não terão novamente”.